5 dicas para construir e manter uma força de trabalho feliz.

As pessoas são o maior activo das empresas.

Importa pouco se as empresas têm o melhor produto do mercado, o melhor programa ou milhões em investimento disponível, sem as pessoas certas, estas empresas muito dificilmente alcançarão sucesso a longo prazo.

Mas eis o busílis da questão:
Ter as pessoas certas também não é suficiente.

Se temos uma força humana desmotivada isso resultará em absentismo, em dificuldade em manter/reter talento e obviamente numa redução nos níveis de produtividade.

Os negócios, as empresas, as pessoas, precisam de um líder comprometido em garantir e assegurar que as suas equipas estão felizes e motivadas para o sucesso comum.

Sem uma motivação genuína, intrínseca (porque é o que acredito que deve ser feito) e extrínseca (porque será bom para o negócio) e sem plano claro e incisivo, provavelmente falharemos na missão de maximizar o verdadeiro potencial de cada um.

Colaboradores felizes são colaboradores produtivos, já não se trata de serem mais ou menos produtivos, mas simplesmente de serem produtivos, de optimizarem os seus próprios recursos pessoais para os colocarem ao serviço daquela que acreditam ser a sua missão e a sua forma de estar positivamente na vida (profissional e pessoal).

E com isto em mente, ficam 5 dicas, as mais recomendadas pelos estudos internacionais para criar um ambiente feliz e saudável para as suas pessoas.

1. Um ambiente de trabalho acolhedor. 
Grande parte do nosso dia é passado sentado à secretária em frente a um computador, pelo menos para a maioria de nós. Turnos longos, sem grandes pausas tendem a levar ao desgaste físico, desmotivação, falta de energia e perda de foco.
O segredo é tornar o ambiente de trabalho num ambiente do qual as nossas pessoas queiram fazer parte, isto pode ser sob a forma de sofás, lounges, sala de jogos ou caso se sintam corajosos, uma sala para umas valentes “power naps”.

2. Flexibilidade de vida.
Nos nossos dias a linha entre trabalho/casa já não é uma linha clara. As empresas precisam e esperam mais das suas pessoas, isto pode resultar numa sensação de pressão extraordinária para atingir resultados ou simplesmente para ficar até mais tarde possível.
Horários flexíveis e distintas abordagens ao trabalho que permitam aos colaboradores encontrar o equilíbrio entre trabalho/casa são fundamentais.
É importante ajudar as pessoas a encontrar o equilíbrio certo de forma a que não considerem o trabalho em algo que os torna em párias sociais que não conseguem ver os amigos ou a família e que se sentem em stress continuo por não conseguirem estar onde deveriam e gostariam de estar.
Há que tirar tempo para falar com as pessoas e descobrir o que pode ser feito para encontrar esse equilíbrio.
Também, ao darmos liberdade às nossas pessoas e confiando na sua capacidade para estarem à altura das suas responsabilidades faremos com que se sintam mais valorizados e isto será mais recompensado.

3. Oportunidades de aprendizagem de crescimento.
É muito difícil falarmos de locais de trabalho felizes quando as pessoas se sentem estagnadas certo? Qual é o objectivo de trabalhar afincadamente se não há espaço para crescimento?
A progressão de carreira também é uma parte importante do envolvimento do colaborador. Se o desejo do colaborador em subir a escada não for possível ele começará à procura de outras oportunidades.
Ao reunir com frequência com as pessoas, discutir objectivos, é possível construir um mapa para o sucesso em conjunto, mesmo que isso implique que eu posso perder pessoas numa fase inicial do processo, mas a clareza, a transparências são fundamentais para o sucesso das empresas e das pessoas. E já agora, também são óptimas para o Karma certo? 😊

4. Foco no tempo social.
A coesão da equipa é fundamental para os níveis de felicidade da empresa.
Nos meus assessements nas empresas, um dos primeiros factores que os colaboradores identificam como sendo fundamentais para a sua felicidade no local de trabalho são as relações que lá têm, o bom ambiente com os colegas, assim como o reconhecimento por parte destes.
Ao encorajar e promover momentos de descompressão social estará a investir na cultura, a reduzir os níveis de stress e por conseguinte a criar um ambiente mais feliz e propicio à produtividade.

5. Encorajar Pausas– As férias não são um luxo.
Uma pausa do trabalho permite-nos mental e fisicamente recuperar energias dos stresses diários no escritório. Isto é vital e irá aumentar o foco e a produtividade no regresso (sim, apesar do primeiro dia ser de adaptação e lamúria) .
Ajudará também a evitar o desgaste emocional e stress das equipas.
Encoraje as suas pessoas para fazerem as férias, se for necessário recorrer a pressão é só usar a expressão americana “use it, or lose it”.

A Feliciade é contagiosa.
Se liderarmos com uma abordagem positiva, de crença e respeitos pelas pessoas e pelas suas singularidades, competências e limites, criaremos um efeito dominó.

Cristina Nogueira da Fonseca
Happyologist

“O trabalho só nos cansa, se não nos dedicarmos a ele com alegria.”
Rabindranath Tagore

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: